domingo, 5 de dezembro de 2010

Noites estranhas


                         
         Asas sem ventos pairando no infinito,
lua sem brilho batendo na janela,
rio sem água banhando a terra abatida,
pássaro desafinado cantando o destino,
noite sem sereno molhando as rosas no jardim,
caminhar manso e matreiro,
histórias e vidas contadas numa noite sem luar..


Márden Moreira de Carvalho

Nenhum comentário:

Postar um comentário