domingo, 19 de dezembro de 2010

A calma do silêncio


Às vezes,
quando o silêncio bate em minha porta,
com os dedos molhados de sereno,
olho bem calmamente,
para não revelar o silêncio de uma brisa calma e fria...

Márden Moreira de Carvalho

Nenhum comentário:

Postar um comentário