segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Para ti

   Cordis,
 escrevi teu nome na areia,
para não perder
a sensibilidade de te olhar...

Márden Moreira de Carvalho... 

domingo, 19 de dezembro de 2010

Palavras ao vento

                                              
                                             Saudade,                                                                      
um sentimento que nem todos conseguem explicar.
Amor,
uma coisa tão sentimental que podemos
 fazer coisas impossíveis para tê-lo.
Tristeza,
quase amiga da saudade,
onde relata todas as lágrimas derramadas pelos olhos.
Medo,
aquilo que todos nós temos,
 mas que às vezes não conseguimos esconder.
Partida,
quando a jangada parte e você fica
 se debruçando sobre o vento.
Olhar,
diferente de ver mas que nunca poderemos enxergar além.
Adeus,
é o tipo de tchau mais triste que existe,
quando o silêncio toca os lábios...
                                                        

Márden Moreira de Carvalho


A calma do silêncio


Às vezes,
quando o silêncio bate em minha porta,
com os dedos molhados de sereno,
olho bem calmamente,
para não revelar o silêncio de uma brisa calma e fria...

Márden Moreira de Carvalho

domingo, 5 de dezembro de 2010

Noites estranhas


                         
         Asas sem ventos pairando no infinito,
lua sem brilho batendo na janela,
rio sem água banhando a terra abatida,
pássaro desafinado cantando o destino,
noite sem sereno molhando as rosas no jardim,
caminhar manso e matreiro,
histórias e vidas contadas numa noite sem luar..


Márden Moreira de Carvalho